Em coletiva de imprensa, Polícia Federal revela detalhes do esquema de desvios de mais de R$ 300 milhões da saúde do Amazonas. Murad Aziz e Sabino Castelo Branco eram os maiores beneficiados com o esquema.

Na coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (25), o procurador da república Alexandre Jabur declara que o ‘cabeça’ da quarta fase da operação maus caminhos é o empresário Murad Aziz, que usava o nome do irmão e ex-governador Omar Aziz, para conseguir influência. Na denúncia consta ainda que todo material da academia AZ Fitness, de propriedade de Murad, foi dinheiro proveniente dos desvios de recursos da saúde pública, onde teria Mohammed Mustafa, pago profissionais que trabalharam nas obras durante a construção da academia. O segundo nome envolvido é do ex-deputado Sabino Castelo Branco (PTB). 

Se constatou que Sabino Castelo Branco era beneficiado com desvios de recursos da empresa Confiança Segurança Patrimonial Ltda (CSP), dos investigados Débora Mores Gomes de Mel e Thyago Villa Maués de Melo, apontados como donos da empresa. A empresa recebia volumosos recursos para prestar serviços à saúde.

A Polícia Federal explica que esta fase da operação que foi denominada operação ‘Cashback’ é resultado de um desmembramento que teve como objetivo apurar desvios de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) do Fundo Estadual de Saúde do Amazonas, realizados em nome do Instituto Novos Caminhos (INC), com participação de outras empresas que não foram investigadas na Maus Caminhos.