Foto: Divulgação

Técnicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), iniciaram, nesta semana, uma visita à região oeste do Amazonas. O objetivo é implantar a Universidade Aberta do Brasil (UAB), em 60 comunidades ribeirinhas do Rio Juruá.

Inédita e desenvolvida em parceria com a Universidade Estadual da Amazônia (UEA) e o Instituto Federal da Amazônia (Ifam), a iniciativa vai proporcionar, aos professores da região, acesso a cursos à distância de formação inicial e contínua.

O trabalho vai atuar em duas frentes: uma voltada à formação inicial de futuros professores e a outra, à formação continuada daqueles que já atuam nas escolas da área rural. O público-alvo são 68 professores de 36 escolas ribeirinhas, que lecionam para aproximadamente mil alunos.

O objetivo é tornar a iniciativa uma referência para outras localidades da Amazônia e demais biomas brasileiros que apresentem o desafio de levar educação a populações extremamente isoladas.

O projeto será implantado no município de Carauari, onde existem duas unidades de conservação: a Reserva Extrativista Médio Juruá, vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, e a Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Uacari, ligada à Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas.

O projeto é uma contribuição da Capes ao Programa Federal Amazônia Conectada, idealizado pelo Ministério do Exército, com o objetivo de integrar áreas isoladas da região por meio de fibra óptica subfluvial. A estruturação dos cursos vem sendo realizada há dois anos.

Fonte: G1 Amazonas