O Governo do Amazonas, através do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (dam) e da Secretaria de Produção Rural (Sepror), lançará, na próxima quinta-feira (17/05), os programas Pró-Mecanização e Pró-Calcário, na zona rural de Manaus, na comunidade Nossa Senhora de Nazaré, na Costa do Tabocal, na margem esquerda do rio Amazonas. Na ocasião, será inaugurada uma casa de farinha mecanizada.

O Programa de Pró-Mecanização é uma linha de crédito subvencionada pelo Governo do Estado, através da Sepror, por meio do termo de convênio n° 04/2015 (Sepror/Agência de Fomento do Estado Amazonas – Afeam e Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas – Idam), com vigência até 2020.

O Pró-Calcário é um programa voltado para a correção do solo, no qual o calcário é lançado no solo para que se tenha mais produtividade corrigindo a acidez do solo. E o Governo do Estado trabalha para que o setor primário tenha mais máquinas e equipamentos para aumentar a produtividade, juntamente com a correção do solo a base de calcário.

Segundo o diretor-presidente do Idam, Luiz Herval, os programas irão propiciar, em todos os municípios amazonenses, a mecanização de áreas em terras exploradas economicamente, com prioridade para produção de arroz, milho, feijão, fruticultura, culturas industriais, olericultura, mandiocultura e pecuária em áreas de pastagens ou capoeiras alteradas ou degradadas. Os programas também possibilitarão o aumento da produtividade agrícola, incentivando a adoção de técnicas e tecnologias de produção de baixo impacto ambiental, aumentará a produção do Estado sem a necessidade de novos desmatamentos e proporcionará maior rendimento e humanização da mão-de-obra utilizada no processo de preparo de área conceder financiamento para o desenvolvimento das atividades agropecuárias.

“Por meio dos Programas Pró-mecanização e Pró-Calcário, o Governo do Estado melhora a qualidade de vida dos produtores rurais do Amazonas, tirando-os de práticas artesanais no trabalho da terra e introduzindo atividades com máquinas, tratores e demais equipamentos que permitam aumentar a produtividade e diminuir o esforço físico do agricultor familiar. Estes programas vão possibilitar o aumento da produtividade nos cultivos e, consequentemente, melhor lucratividade ao beneficiário”, salientou Luiz Herval.