Em entrevista à Folha de S.Paulo, a atriz Fernanda Montenegro falou pela primeira vez sobre sua recusa em participar de uma campanha da Riachuelo por causa da candidatura à Presidência de Flávio Rocha, dono da empresa.

“Eu me dou o direito de ter uma independência diante disso”, disse ela. No episódio, Fernanda Torres, filha de Montenegro, também rejeitou a campanha.

“É uma coisa de um partido, é muito delicado. É engraçado, porque no nosso país nem se é ligado a uma ideologia, mas a um partido”, prosseguiu.

“Cada um faça a participação que quiser, para quem quiser, dentro do que ele pretende para ele e para o país. Não estou fazendo campanha nem bloqueando. Quem sou eu para isso?”, questionou Fernanda.

“[O fato de eu me recusar] não quer dizer que eu não seja uma pessoa que atue. Posso não ser ativista, eu não estou a serviço de uma ideologia, de um partido. Mas, com a minha vida, com a minha profissão, sou uma atuante”, assinalou a atriz.

“A gente não chega a nenhuma conclusão, a nada. Parece que essa eleição vai ser feita daqui a 200 anos”, finalizou ela, que disse não mais participar mais dos pleitos. “Estou com quase 90 anos, não voto mais”.