Por Karol Pacheco

Chegar em segurança ao seu destino não é mais um direito básico oferecido pelo poder público a quem usa o transporte público em Manaus, mas já tornou-se questão de sorte à essa população. Com assaltos diários – muitas vezes mais de um por dia na mesma linha – o usuário do sistema nunca sabe se naquela viagem haverá roubo, tiroteio ou até mesmo mortes dentro do veículo.

Não bastam as condições precárias dos ônibus que estão circulando por Manaus, a falta de manutenção dos veículos e o atraso do pagamento de cobradores e motoristas, o que gera constantes paralisações do serviço. Ao longo dos últimos meses, usuários e motoristas perderam a vida pelo simples fato de estarem dentro de um ônibus que foram invadidos por quadrilhas que aterrorizaram os passageiros.

E os dados não mentem. No ano passado, foram registrados 2.437 assaltos a ônibus, uma média de seis assaltos por dia e 1.735 pessoas foram presas em Manaus por roubo a ônibus, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM).

Dentro dos ônibus, as conversas giram sempre em torno dos assaltos que aconteceram no dia anterior ou em outras linhas. “A impressão que temos é que a ação dos bandidos vai começar a qualquer momento. O pior é que eles estão ficando cada vez mais violentos. É impossível andar de ônibus em Manaus sem que seja com medo e rezando para chegar logo em casa”, afirmou o vendedor Francisco Santos, usuário da linha 316, que sai do bairro Tarumã e vai até o Centro da cidade.

Um motorista da linha de ônibus executivo 848, que não quis se identificar, afirmou que muitos ônibus desse tipo estão andando com “seguranças particulares” à paisana. “É a forma que encontramos de dar mais segurança ao usuário e a nós mesmos. Chegamos ao ponto de sair de casa sem a certeza que voltaremos. Infelizmente os usuários dos transportes coletivos e os profissionais que atuam no setor estão completamente esquecidos do poder público e jogados à sua própria sorte”, lamentou.

Para a comerciante Rafaela Melo, a estratégia para tentar evitar os assaltos foi mudar sua rotina. “Tive que começar a sair de casa mais cedo. Mas isso não me deixa mais segura, pois os assaltantes estão cada vez mais ousados e agindo a qualquer hora do dia” (veja declaração completa dela no vídeo abaixo).

Segundo Josildo Oliveira, diretor administrativo do Sindicado dos Rodoviários, o índice de assaltos tem aumentado significativamente em Manaus, principalmente na Torquato Tapajós; na Avenida Tefé, que fica na Cachoeirinha e no Distrito Industrial. Ele relata que o modo com que os suspeitos cometem os assaltos é sempre parecido e em pontos são quase sempre os mesmos.

Josildo também citou algumas das linhas onde são registradas as principais ocorrências. Segundo ele, essas linhas são a 560, 500, 448 e 356. “As empresas de transporte não têm poder de segurança para diminuir esse índice. Por isso, cobramos constantemente do Estado ações para que o problema seja solucionado o quanto antes. A Polícia sabe onde essas ações acontecem e não entendo porque não pegam esses bandidos. Ainda assim, estamos muito confiante no novo Governo e esperançosos que o quadro seja revertido de maneira eficiente”, afirmou Josildo.

Segundo informações da SSP-AM, o secretário de Segurança Pública, coronel Louismar Bonates, determinou o reforço nas ações integradas para o combate à criminalidade. No último dia 23, a Polícia Militar deflagrou a Operação Catraca em buscas de armas e outros materiais ilícitos em ônibus do transporte público em todas as zonas da cidade para evitar que roubos dentro dos veículos aconteçam. A Secretaria ainda não disponibilizou os dados oficiais de assaltos em 2019.

A Secretaria informou também que disponibiliza, gratuitamente, o aplicativo Aviso Polícia, que funciona como uma espécie de “botão do pânico” para a população que flagrar qualquer situação real ou de ameaça. O app está disponível nas plataformas Android e iOS, bastando pesquisar “Aviso SSP”. Com ele instalado, o cidadão que fizer o chamado coloca o veículo em rastreamento automático pelas equipes policiais, com georreferenciamento e acompanhamento em tempo real em telões do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC).

Ainda de acordo com informações da Secretaria, o mapeamento das linhas e áreas assaltadas é uma informação estratégica utilizada para subsidiar ações policiais, sendo, portanto, de caráter reservado.

Casos

Não faltam histórias para mostrar o quão grave está a situação. O Portal Amazonas Total fez aqui um levantamento de alguns assaltos que já foram registrados em Manaus somente em 2019.

– Na noite de quarta-feira (6), o motorista da linha 307 foi esfaqueado durante o assalto que aconteceu no coletivo, no Bairro Santa Etelvina. Além de roubar a renda do ônibus, os quatro assaltantes levaram os pertences de todos os passageiros. O motorista foi esfaqueado no ombro no momento da fuga dos suspeitos.

– Na segunda-feira (4 de fevereiro), um ônibus da linha 448 (Cidade de Deus – Centro) um passageiro foi esfaqueado dentro do veículo após sete assaltantes anunciarem o assalto. Os bandidos estavam armados com facas e armas de fogo. Essa foi a segunda vez que a linha foi assaltada em menos de 48 horas;

– Uma troca de tiros com duas facções rivais no dia 28 de janeiro, causou pânico nos passageiros da linha 356, também na Torquato Tapajós. As duas facções planejavam assaltar o veículo quando começaram o confronto. Um suspeito, de 18 anos, foi alvejado e morreu no local. Todos os passageiros ficaram em meio ao fogo cruzado durante a troca de tiros;

– No dia 23 de janeiro, dois ônibus foram assaltados simultaneamente em dois pontos diferentes da capital. A linha 365 na Avenida Torquato Tapajós e a linha 064 no bairro Gilberto Mestrinho;

– Naquela mesma noite, dois ônibus (as linhas 444 e 500) foram assaltados durante na avenida Torquato Tapajós;

– No dia 21 de janeiro, suspeitos com armas de fogos e facas anunciaram assalto na linha 350, no bairro Flores. Eles mandaram o motorista desviar a rota. Roubaram a renda do dia e os pertences de todos que estavam dentro do veículo.

– Aproximadamente 20 passageiros foram roubados e feitos de reféns por dois suspeitos na linha 321, na tarde de 22 de janeiro, na Avenida Torquato Tapajós. Os suspeitos estavam com uma faca e uma arma de fogo;

– Em 18 de janeiro, um passageiro reagiu ao assalto na linha 560 que passava pela Torquato Tapajós e esfaqueou o assaltante, que morreu no local;

– O motorista da linha 676 foi violentamente agredido durante um assalto à linha no dia 17 de janeiro. O caso aconteceu na avenida Djalma Batista.