Após concessões do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), os deputados chancelaram o texto-base do projeto de socorro aos estados na crise causada pelo coronavírus.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que “apesar de desidratada, a versão não agrada o ministro Paulo Guedes (Economia), que, em caso de aprovação pelo Congresso, defende veto à proposta.

Brasília – Plenário da Câmara dos Deputados antes do inicio da discussão do relatório do Impeachment (Antônio Cruz/Agência Brasil)

O pacote emergencial não prevê contrapartidas dos chefes de Executivo estadual e municipal, como queria a equipe econômica, e foi aprovado por 431 votos a 70. O plenário da Câmara ainda vai analisar nesta segunda-feira (13) os destaques —pedidos de alteração do texto.”

A matéria anda informa que “depois da conclusão da votação na Câmara, o projeto segue para o Senado, onde o governo já tenta articular mudanças. Encabeçado por Maia, o projeto prevê auxílio financeiro a estados e municípios que perderam arrecadação com a pandemia. Segundo líderes da Câmara, o efeito do texto-base aprovado nas contas públicas é de R$ 89,6 bilhões.”

FONTE: Brasil 247