O pré-candidato do PSL à Presidência da República, deputado Jair Bolsonaro (RJ), foi vaiado duas vezes ontem , 23, durante sabatina na Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, organizada pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

Ele foi o primeiro dos pré-candidatos nas eleições 2018 a ser hostilizado pela plateia, por ter dado respostas consideradas curtas e não se aprofundado no tema em debate. Após o evento, em entrevista coletiva, o deputado disse é normal ser vaiado.

Após a primeira vaia, Bolsonaro perguntou: “É para mim ou pelo tempo?”, em referência ao fato de não ter usado os quatro minutos disponíveis pela resposta. “Já estou satisfeito. Vamos para a próxima”, havia dito ao encerrar sua fala antes da hora.

Na segunda onda de vaias, Bolsonaro subiu o tom de voz: “Quem tiver ideias, por favor, me procure. Não vim aqui para dizer que sou melhor do que os outros. Não tem solução fácil. Não tem espaço aqui para gente que, na base do grito e do gogó, diz que vai resolver”.

O presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, ponderou que Bolsonaro poderia virar presidente e que todos os partidos estavam representados no plenário – em referência aos prefeitos. “Vamos respeitar e evitar a intolerância”, disse.

 

O Estado de São Paulo