Militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e do grupo Povo Sem Medo desocuparam no início da tarde desta segunda-feira (16/04) o apartamento tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo, que segundo Moro seria do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A desocupação pacífica do imóvel ocorreu cerca de quatro horas depois de o coordenador do MTST e pré-candidato à Presidência da República pelo PSOL, Guilherme Boulos, anunciar a entrada no tríplex.

Por meio das redes sociais, Boulos disse que a desocupação ocorreu depois de um ultimato dado pela Polícia Militar, que fora chamada pelos moradores do prédio após a invasão.

“Numa ação arbitrária, sem ordem judicial, polícia deu prazo para saída do MTST do tríplex, sob pena de prisão de todos os ocupantes. O tríplex foi desocupado, mas o recado ficou. É evidente que não tinham ordem: quem pediria a reintegração de posse?”, disse o pré-candidato do PSOL em sua conta no Twitter.

Mais cedo, Boulos divulgou vídeo em suas redes sociais e disse que a ação era uma denúncia “à farsa judicial que levou Lula para a prisão”.